Entrevista Los Canos

Lá se vão uns 10 anos desde que a Los Canos terminou. Eles deixaram registrados 1 cd e 2 EPs, que podem ser ouvidos nos serviços de streaming de música atuais. Apesar do fim do grupo, os integrantes continuaram amigos e agora resolveram se reunir para gravar novas músicas. O BahiaRock entrou em contato com eles via e-mail para saber mais a respeito. Como vocês irão perceber pelas respostas, o bom humor deles continua o mesmo. Confiram!

Formação:
Dudu: vocal e guitarra
Mary: backing vocal
Michael: guitarra
Gil: baixo
Cisso: bateria

Como surgiu a ideia de reunir a banda novamente?

Dudu: Como a banda é todo mundo amigo e se manteve próximo, sempre cogitamos voltar a fazer alguma coisa, fazer algum show doido. Aí Michael pensou que seria mais legal se a gente gravasse umas músicas, aí fizemos um monte de música, ficamos satisfeitos com o resultado e resolvemos gravar.
Mary: Eu achei que o plano seria fazer um show, talvez até pra exorcizar alguns demônios do passado, aí eles inventaram gravar umas músicas, eu a principio me mantive contra, mas sou voto vencido.
Michael: Após reconhecermos a presença de alguns obsessores, como Mary disse, iniciamos um tratamento de 21 dias com a Oração do Arcanjo Miguel. Depois da limpeza vimos que a Era de Aquário já tinha começado.
Gil: Não foi ideia minha, apenas consenti.
Cisso: Achei que seria legal se fizéssemos um show.

Qual foi o motivo do fim da banda?

Dudu: Eu saí pra fazer faculdade, pra conseguir conciliar a faculdade com meu trabalho.
Mary: Até tentamos seguir a banda sem Penna, né? Mas não lembro o exato motivo do fim, na verdade, não sei porque seguimos a banda sem ele, acho que por pura birra.
Michael: Ramon, Metal mudou de celular?
Gil: Eu fiquei de cabo a rabo, desde a formação inicial até o fim. Decidimos pelo fim da banda, eu e Michael, bebendo na Pituba, não lembro quando, com base no fato de que já tínhamos feito o máximo que podíamos fazer diante das circunstâncias que nos foram impostas.
Cisso: Michael, acho que é 8127-4100.

Quais os planos para a gravação do novo disco? Vocês pensam em usar algum tipo de projeto colaborativo?

Dudu: Pensamos em gravar bem simples, bem cru. Como foi o EP “O Meu Hobby é Te Amar”. Como nossa pretensão é zero, a gente nem cogitou fazer nenhum projeto. Ainda mais eu morando aqui em Brasília.
Mary: Eu não posso opinar rs
Michael: Estou achando que ele me bloqueou.
Gil: Não.
Cisso: Não, isso não seria justo com os eventuais colaboradores.

Vimos nas redes sociais que a banda já fez um ensaio. Como foi voltar a tocar juntos?

Dudu: Só alegria. Coisa de amigo mesmo.
Mary: 3 horas de ensaio é muito tempo, né? rs
Michael: Outro dia eu encontrei com ele, tentei puxar o assunto e ele começou a falar de cerveja artesanal, das defumadas, ele gosta muito das cervejas defumadas, rauchbier… conhece?
Gil: Para pessoas que não tocavam juntas, os cincos da banda, desde de 2006 acho, foi, no mínimo, exótico.
Cisso: Foi ótimo, nos divertimos, sem pressão e sem chateação, acho que tocamos bem dentro do possível e o clima foi muito bom.

Alguma chance de vermos a banda ao vivo novamente?

Dudu: Um show é bem provável.
Mary: Um show tá bom demais.
Michael: Tentei até baixar o Icq para adicionar ele e nada… acho que fui bloqueado por ele em tudo.
Gil: Até onde fui informado, tem um show marcado no idearium bar. Ao contrário do que fui acusado em um período, não me oponho a apresentações, gravações, etc.
Cisso: Sim, sempre que todos tiverem vontade e estiverem na mesma vibe, pode ser que seja só um show, mas se for da vontade de todos que seja assim já estará ótimo, fazer as coisas por obrigação é muito chato.

O que vocês sentem mais falta da época em que a banda estava na ativa?

Dudu: Na verdade acho que a gente aproveitou bem aquela época a ponto de nem sentir falta de nada hoje.
Mary: Eu sinto falta das tretas rs zuera
Michael: De Metal tirando as fotos.
Gil: Viajar mais, ganhar discos, resenhas do bahia rock.
Cisso: Das coisas legais que fizemos.

Em quais outros projetos musicais vocês estiveram envolvidos desde o final da banda?

Dudu: Eu toquei na Uine, fiz participação em banda de amigo (Cissa, Cobra City…), tô com uma banda aqui em Brasília chamada Sexta Tem Pilates e montei um mini Home Studio que eu gravo o que der na telha.
Mary: Eu até brinquei no estúdio Projaca, eu e Dudare (Vinil 69) gravamos 3 músicas, uma delas da Los Canos, mas, inclusive, eu defendo a não formação de bandas.
Michael: Tentamos voltar com a Josh, mas Metal ignora.
Gil: Toquei por aí, sei lá, hoje tenho um projeto meu chamado Cobra City, sou guitarrista da Orquestra Elegante e baterista do Coletivo Artístico Cissa Guimarães. São bandas morto vivas, aparecem de vez em quando, gravam de vez em quando, e devem seguir nesse procedimento.
Cisso: Michael, volte com a Jonas.

Olhando as entrevistas antigas da banda no BahiaRock o clima era sempre de zoeira e isso se refletia nas letras das músicas, sempre alegres, divertidos e românticas. A ideia é continuar assim ou agora vocês estão mais “maduros” e querem falar sobre outros temas?

Dudu: A gente está cada dia mais besta.
Mary: Penna está bem maduro.
Michael: Maduro é Metal, que fica nessa, bloqueando os outros.
Gil: Não tenho composto letras para a Los Canos, somente para as outras bandas.
Cisso: Acho legal falar do que quiser, sem ter que seguir uma linha.

Como vocês enxergam o rock baiano atualmente? Em relação a bandas, locais para tocar… Melhorou, piorou ou continua igual a época que vocês estavam na ativa?

Dudu: Estando fora da Bahia, estou bem desatualizado das coisas daí. De coisa nova, gosto de Rosa Idiota. De Brasília gosto dos Gatunos, Supervibe e Lista de Lily.
Mary: E ainda existe rock baiano? rs eu ando muito desatualizada, cansada de balada confesso, vi a Rosa Idiota, gostei bastante, acho divertido o show dos Jonsons, sou fã de tudo que Bruna Barreto faz, acompanho as coisas de Larissa Luz e de Irmão Carlos.
Michael: Sei lá, só assisto Star Trek e Trailer Park Boys.
Gil: Gosto das bandas de Marcelo Adam.
Cisso: Tenho a impressão que rolavam mais shows antes, mas posso estar enganado. Gosto da Ivan Motosserra, Rosa Idiota e Aphorism, fora as que me esqueci agora. A grande promessa na minha opinião é a Baixa dos Sabatheiros, espero que eles mantenham esse nome.

O que vocês acham da volta do BahiaRock? Ele ainda serve para alguma coisa?

Dudu: Pensando bem, acho que a gente só “voltou” porque vcs voltaram. Los Canos não é nada sem o Bahia Rock. ?
Mary: “Tudo que não serve pra nada, serve pra alguma coisa …”
Michael: Metal está na equipe do BahiaRock????
Gil: Acho apropriado o retorno do setor de “classificados”.
Cisso: Acho doido.

Ouça no Spotify:

Cada Dia Mais Limpo e Romântico

O Meu Hobby É Te Amar

Você pode gostar também