[Memorabilia BahiaRock] Seletiva de bandas para o Claro que é rock (Abr/2005)

Bem vindo a nova edição do Memorabilia BahiaRock! O objetivo dessa seção é relembrar o passado do site. Dessa vez escolhi um dos shows mais marcantes que eu tive a sorte de cobrir para o site: a seletiva do festival Claro que é rock, que trouxe a banda Placebo – uma das minhas favoritas – para tocar em Salvador.

Show com as bandas: Placebo (Inglaterra) e 5 bandas locais (Los Canos, Ronei Jorge e os Ladrões de Bicicleta, Canto dos Malditos na Terra do Nunca, Brinde e Theatro de Séraphin)
17 de Abril de 2005
Concha Acústica do TCA

A Claro estará produzindo em Setembro nos dias 15 e 16 no Rio de Janeiro e em São Paulo nos dias 16 e 17 o festival Claro que é rock. Para promover o evento, eles resolveram fazer uma seletiva de bandas. Oito cidades foram escolhidas, incluindo Salvador, para sediar as seletivas. Em cada cidade foram escolhidas 5 bandas, sendo que a vencedora ganharia 15 mil Reais em instrumentos musicais e iria participar do festival em Setembro. Mas ainda faltou a melhor parte, a banda inglesa Placebo seria a grande atração das seletivas.

Muita polêmica aconteceu devido ao regulamento para a inscrição das bandas e também depois da escolha das 5 bandas da etapa local. As escolhidas foram Los Canos, Ronei Jorge e os Ladrões de Bicicleta, Canto dos Malditos na Terra do Nunca, Brinde e Theatro de Séraphin, que se apresentaram nessa ordem. Cada uma delas teve 20 minutos para mostrar o seu trabalho.

Los Canos

A primeira a se apresentar foi a Los Canos pontualmente no horário marcado, às 17 horas. Essa é a segunda vez que eles se apresentam na Concha. Tocaram para um público que ainda estava chegando e se acomodando, mas que estava curtindo som. Como ainda era cedo, acabaram não aproveitando os recursos da iluminação. Todos estavam muito animados e empolgados, principalmente o vocalista e guitarrista Dudu de Carvalho que acabou parando para recuperar o fôlego antes da última música para conseguir cantar. Destaques para as músicas mais antigas como do EP “O meu hobby é te amar” como “Mercadologia” e “Uma bandinha de rock”.

Ronei Jorge e os Ladrões de Bicicleta

Ronei Jorge e os Ladrões de Bicicleta foi a segunda banda a se apresentar. A apresentação deles mostrou mais uma vez a sua qualidade musical. Músicas como “Drama” e “Obediência” soam cada vez melhores ao vivo. A performance da banda também é muito boa, com destaque para Ronei que usou todo o poder de sua voz.

Canto dos Malditos na Terra do Nunca

A Canto dos Malditos na Terra do Nunca é a banda que possui os integrantes mais novos. O interesse pela banda aumentou depois do anúncio da sua escolha para a seletiva, inclusive muita gente tem baixado suas mp3s aqui no BahiaRock. Andréa (vocal), Dan (guitarra e vocal), Helinho (guitarra), David (baixo) e Leo (bateria) formam o grupo. Essa não é a primeira vez que eles se apresentam para um grande público, vale lembrar que eles se apresentaram no Palco do Rock desse ano. Com certeza eles eram a banda menos experiente, mas isso não intimidou a sua apresentação, nem mesmo algumas vaias do público. Eles mantiveram a postura e continuaram até o fim. A banda tem futuro e prova que novas e boas bandas continuam surgindo na cidade.

Brinde

A Brinde está com uma nova formação, ou melhor, um novo baterista. Glauco Neves (das bandas Vinil 69 e A Grande Abóbora) assume a bateria. E esse foi o primeiro show dele com a banda. Nem parecia, o entrosamento dele com a banda era muito bom. Completam o trio Henrique (vocal e guitarra) e Leno (baixo). Músicas como “Mesmo assim”, “Voltar atrás” e “Se me distraio” fizeram parte do repertório.

Theatro de Séraphin

A banda Theatro de Séraphin foi a última a se apresentar. O som deles tem letras em português e muita influência de bandas dos anos 70 como The Doors e Echo and the Bunnymen. Apesar de novo, o grupo é formado por ex-integrantes de algumas bandas conhecidas do rock baiano. Artur Ribeiro (voz e guitarra base) tocou em bandas como Elite Marginal e Treblinka, Marcos Rodrigues (contrabaixo) tocou na Via Sacra, Cândido Soto Jr (guitarra solo), participou da primeira formação do Dr. Cascadura e J. Wilquens Dantas (bateria). Eles mostraram uma boa performance, tentando criar um certo clima, principalmente também pelo visual “dark”.

Cada uma mostrou o seu melhor e no final o júri acabou escolhendo a banda Ronei Jorge e os Ladrões de Bicicleta como a grande vencedora. Eles irão receber o prêmio de 15 mil Reais em instrumentos musicais e irão se juntar às outras 7 bandas escolhidas nas outras seletivas pelo Brasil para tocar no festival Claro que é Rock nos dia 15 e 16 de Setembro no Rio de Janeiro e 16 e 17 em São Paulo. Dessas bandas, uma sairá vencedora e ganhará a gravação de 2 clipes, gravação do cd na Toca do Bandido e uma van para fazer uma turnê pelo país. Boa sorte para eles!

Um bom público compareceu a Concha Acústica do TCA superando a expectativa de não encher pelo fato da banda Placebo não ser tão conhecida pelo grande público. Muitos com certeza não conheciam a banda direito, mas com certeza depois do show ficaram satisfeitos com o que viram.

Placebo

Por volta das 20 horas, o Placebo sobe ao palco. As luzes se apagam e começa a introdução da música “Taste in men”. O primeiro a subir no palco é o baterista Steve Hewitt, logo em seguida o vocalista e guitarrista Brian Molko e por último o baixista e guitarrista Stefan Olsdal. A banda ainda conta com mais músicos extras: William Lloyd (baixo, guitarra e teclado) e Xavior Roide (teclado e vocais adicionais).

O início do show foi marcado por uma pequena confusão. Parece que o Brian foi tentar tirar uma filmadora digital de alguém da platéia. Ele saiu correndo em direção ao público e os seguranças tiveram que ir lá trazê-lo de volta ao palco. Passado isso, a apresentação continuou sem problemas.

Na seqüência vieram “The Bitter End” e “Every You Every Me”. Pronto, o público estava totalmente conquistado pela banda. E não foi só com a música. Brian e Stefan demonstravam uma simpatia e carisma muito grande. Estavam sempre chegando perto do público, que claro, ia ao delírio.

O grupo já possui dez anos de carreira e esta turnê está divulgando o último lançamento deles, a coletânea “Once more with feeling” que saiu em cd e dvd. Então no repertório, somente os clássicos, ou melhor, os singles. Foram ao todo dezessete músicas (a coletânea possui dezenove músicas, ficaram de fora “You don´t care about us” e “Bruise Pristine”), que abrangeram todos os quatro discos da banda.

O profissionalismo mostrado no palco era impressionante. Principalmente pela qualidade musical, tudo tinha que sair perfeito. Para isso, tanto Brian quanto Stefan estavam trocando seus instrumentos a cada música. Os seus respectivos roadies (detalhe que o de Brian era uma mulher), estavam sempre cuidando para que tudo estive afinado e funcionando perfeitamente.

O repertório continua alternando músicas mais agitadas (“This Picture” e “Special K”) e outras mais calmas (“Without you i´m nothing” e “Protect Me”, que na coletânea saiu com uma versão em francês chamada “Protege Moi”). Foi bom ver ao vivo as músicas inéditas que saíram na coletânea, chamadas “I Do” e “Twenty-Years”. Para quem não esperava surpresas, veio a primeira. O primeiro single deles chamado “36 Degrees” ganhou um novo arranjo, uma versão mais lenta do que a original. Ficou muito bonita! Outra que também ganhou um novo arranjo foi “Teenage Angst”, também mais lenta. E já estamos no bis e faltava apenas uma música. O final não poderia ter sido melhor. Fechar a noite com “Nancy Boy” foi o final perfeito.

O show chega ao final. Agora resta esperar e torcer para que não demore muito para outro evento desse tipo ocorra em Salvador. Enquanto isso, o jeito é ir guardando dinheiro para ir para o Rio ou São Paulo para o Festival Claro que é rock. Especula-se que vá ter Audioslave, Green Day (que tocaram os cds durantes os intervalos dos shows, será algum sinal?), Strokes, entre outros. O jeito é aguardar a divulgação e confirmação das atrações.

Confira as Fotos do evento:

Você pode gostar também